Carregando...

“Como realizei meu sonho de ser mãe” – História da Karen

A Karen contou pro Divã como foi sua batalha pra engravidar da linda Katherine. Acompanhe! (Leia mais depoimentos aqui)

Vou contar um pouquinho da minha história ‘materna’ pra vcs!

Sempre sonhei no dia que seria mãe. Eu não acho certo falar que isso nasce conosco, mulheres, porque sinceramente, na minha opinião, existem aquelas que são e não deveriam (mas isso não vem ao caso).

Eu sempre adorei crianças e desde que casei (há 2 anos) sonhava com a minha. Eu e meu marido planejávamos nosso baby pra ali quando fizéssemos uns 3 anos de casado. Algo planejado mesmo, principalmente financeiramente, com uma poupancinha gorda, para que quando tivéssemos, estivéssemos tranquilo (isso é o que a gente sempre planeja).

Logo que casei passei por alguns aborrecimentos de família e isso resultou em alguns problemas de saúde, e um deles foi o descontrole hormonal. Por conta disso meu obstetra me aconselhou a dar uma parada com o anticoncepcional (que eu já usava há mais de 10 anos, sem pausa), pra ver se meus hormônios voltavam a ficar regulares.

Uns 3 meses depois que eu parei tivemos alguns sustos, minha menstruação atrasou, e nós já esperávamos por aquilo, mas sempre alarme falso… e esses alarmes aconteceram por mais umas 4 ou 5 vezes. Com isso meu obstetra pediu que eu fizesse um exame mais detalhado de todos os hormônios, e o resultado foi triste. Ele me falou que a taxa de hormônios estava baixíssima, e que meu endométrio era fininho, que eu engravidaria apenas se fizesse um tratamento, a base de CLOMID.

Lembro que nesse dia fui com a minha mãe ao médico e saí de lá chorando e a primeira coisa que eu falei pra ela foi: – não vou conseguir te dar um neto. Comprei o remédio, tomei por 5 dias, e desisti. Passei tão mal, meu rosto ganhou uma coleção de espinhas.. e a cólica que eu sentia?! Sem condições. Eu teria que tomar por no mínimo 30 dias pra regularizar, eu não iria conseguir, então desisti.

Os dias se passaram, e mais uns 3 sustos de menstruação atrasada. Nos dois primeiros eu fiz o teste e nada, a terceira vez eu nem fiz. Com isso decidi deixar de lado os sintomas e encarar, porque estava ficando difícil esse descontrole, pois estava afetando no emocional também. Humor péssimo. Então, pronto! Decidi que eu tomaria o remédio. Lembrando que eu continuava atrasada. Lembro que minha mãe falou pra eu fazer o teste… insistiu (mãe sente né?) e eu não quis, porque tinha certeza ser mais um alarme falso, maaaas pra eu iniciar o remédio eu teria que ter 100% de certeza que não tinha ninguém aqui dentro.

Então em um sábado, ao acordar, fui fazer xixi e já havia comprado um teste que tinha ficado ali, em cima da pia, um tempão… olhei pro teste e ele pra mim, e aproveitei a primeira urina pra fazê-lo e tirar ‘aquilo’ da frente pra eu começar a tomar logo o dito remédio.

E qual foi a minha surpresa ao ver duas listras?! Eu não conseguia acreditar!! Acordei o marido as pressas e fomos ter certeza no laboratório com o exame de sangue. Era sábado e só sairia o resultado na segunda. Foi o fim de semana mais longo da minha vida.

Mas era certo. Sem remédio eu engravidei. E hoje eu sei que foi Deus que me mandou minha filha, porque quando eu estava grávida de 6 meses perdi 2 pessoas queridas da família, e eu não teria força pra superar se não fosse por ela.

Hoje minha princesa – Katherine – mais conhecida como Kathe – completa 8 meses na próxima semana.

Katherine e Karen!
Katherine e Karen!

*

Todo o conteúdo deste site, incluindo informações relacionadas à saúde, é apenas para fins informativos e não deve ser considerado um diagnóstico específico ou plano de tratamento para qualquer situação. O uso deste site e as informações contidas nele não cria uma relação médico-paciente. Procure sempre o aconselhamento individual de um profissional em relação a quaisquer dúvidas ou questões que você possa ter em relação a sua própria saúde física ou mental ou a de outras pessoas.

Nunca tome nenhum medicamento sem o conhecimento do seu médico.