Carregando...

Entendendo os medos infantis – Parte 1

Olá mamães e papais, tudo bem?
Muitos pais me procuram preocupados com os medos dos filhos, que muitas vezes parecem irracionais. A verdade é que, para as crianças, o mundo é cheio de ameaças – reais e imaginárias.

medo-2

– Medo na primeira infância (até os 3 anos):
Essa faixa etária gosta de hábitos e do conhecido. Barulhos ou imagens pouco familiares (sirenes ou a aproximação de um animal estranho) podem gerar pânico. Muitas vezes essas crianças tem medo de coisas inofensivas. Isso acontece porque mesmo que ele esteja consciente do seu ambiente ao redor, ainda não entende tudo o que acontece nele!
Os medos das crianças muitas vezes resultam de uma experiência assustadora. Por exemplo, uma criança que chorou quando seus balões de aniversário estouraram, pode passar a ter medo de todos os balões.

Estratégias para acalmá-lo
Brinque de detetive. Se seu filho não sabe dizer o que está assustando ele, procure pistas.
Seja criativo. Experimente maneiras de ajudar seu filho a se sentir mais seguro. Para essas crianças, quanto mais visual a estratégia, melhor. Se ele tem medo de ser sugado pelo ralo da banheira, que tal cobri-lo?
Mude a percepção do seu filho. Se ele grita ao ver insetos, leia para ele livros sobre os bichos amigáveis! Quando ele parar de temer a idéia de insetos, ele poderá se sentir mais corajoso em torno dos bichos reais!
Esclareça falsas crenças. Claro, você sabe que um corte de cabelo não é grande coisa. Mas isso é porque você entende que o cabelo não sangra e o cabeleireiro não vai cortar suas orelhas. Quanto mais a criança sabe, menos vai se preocupar!

– Medo das crianças em idade pré-escolar
Crianças de 4-5 anos começam a entender conceitos abstratos, então seus medos se tornam mais complexos também. Eles tem medo do que eles podem ver e do que está na imaginação – o monstro debaixo da cama, seres e coisas que invadem o quarto no meio da noite, e tudo que pode acontecer quando mamãe e papai não estão por perto. Não é nenhuma surpresa que essa é a idade de pico para pesadelos. E uma vez que eles ainda tem dificuldade em distinguir realidade de fantasia, os maus sonhos podem parecer terrivelmente reais.

Estratégias para acalmá-lo
Responda aos “e se?”. As crianças desta idade são preocupadas com o que poderia acontecer. Se o seu filho treme ao ver o cachorro do vizinho, por exemplo, explique o comportamento do cão. Em vez de dizer: “Ele não vai te machucar”, seja mais específico: “Ele late porque é assim que os cães falam.”
Respeite seus sentimentos. Provocar seu filho ou forçá-lo a enfrentar uma situação que o assusta, provavelmente não trará o resultado desejado. Mas não dê ênfase ao medo ou, caso contrário, você pode convencê-lo de que ele está verdadeiramente em perigo! Se o seu filho se apavora cada vez que ouve um trovão, por exemplo, resista à vontade de pegá-lo e abraçá-lo apertado. Fale sobre isso com ele, com um tom de voz baixo e seguro.

 

O próximo post (quinta-feira, 27) será sobre os medos das crianças mais velhas e a diferença entre medo e fobia. Fique atento! 🙂

Todo o conteúdo deste site, incluindo informações relacionadas à saúde, é apenas  para fins informativos e não deve ser considerado um diagnóstico específico ou plano de tratamento para qualquer situação. O uso deste site e as informações contidas nele não cria uma relação médico-paciente. Procure sempre o aconselhamento individual de um profissional em relação a quaisquer dúvidas ou questões que você possa ter em relação a sua própria saúde física ou mental ou a de outras pessoas.

One thought on “Entendendo os medos infantis – Parte 1

Comments are closed.