Carregando...

Quatro Letras – Resenha

Vocês se lembram que recentemente a escritora Flavia Camargo deu uma entrevista pro Divã sobre sua obra mais recente, Quatro Letras?

QUATRO LETRAS é um livro escrito por uma mãe que viveu o desafio de se despedir do filho quatro dias após seu nascimento. Sentindo a maternidade como a maior dádiva que já teve a oportunidade de viver, ela se recusou a considerar que a partida de seu bebê pudesse ser a fonte de qualquer tipo de prejuízo. Assim, optou por identificar quais eram os benefícios que tinha alcançado com essa adversidade, para poder pensar nele sempre com felicidade e gratidão.

O livro é sensacional. Flavia usou seu conhecimento em Logosofia* para ir além – não narra apenas os fatos que aconteceram na sua intensa jornada com o Igor, mas também faz reflexões que convocam o leitor a refletir também. Concluí a leitura em 2 dias, mas quero ler novamente em breve, pois tenho certeza que deixei passar muitas reflexões valiosas!

No decorrer do livro podemos ter acesso a diversas cartas que Flavia escreveu pro Igor, antes de sua chegada e depois de sua partida. Essas cartas dão mais sentido e emoção para todo o resto da narrativa. Engana-se quem pensa que a história do livro é somente sobre o Igor – o papel desempenhado por Bernardo (marido de Flavia e pai do Igor) é de grande destaque! Além disso, o leitor acompanha a luta de Flavia para sobreviver – devido à Síndrome de Hellpsua vida ficou por um fio!

O que mais me impressionou em Quatro Letras foi a resiliência de Flavia. Ela conseguiu colocar no papel seu processo de luto, e como conseguiu transformar o sofrimento em “poesia”. Ela foi além da dor, apesar de não negá-la. Afinal, como negar a dor de perder um filho? Quatro Letras é, além de um abraço na alma, um sopro de esperança para aqueles que perderam alguém especial.

 

Se você for do Rio de Janeiro, não perca a noite de autógrafos no próximo dia 30. Mais informações na imagem:

Quatro Letras

*Logosofia é uma ciência que oferece conhecimentos transcendentes para viabilizar que o ser humano realize um processo de evolução consciente.