Carregando...

A comunicação particular dos bebês prematuros

prematuridade

Por ter nascido antes do tempo previsto, o recém-nascido é exigido a ter respostas especiais ao que lhe é oferecido pelo mundo externo que permitam sua sobrevivência ou a estabilidade de seu estado clínico. O bebê prematuro se depara com diversas exigências de processos fisiológicos, como manter a temperatura corporal, respirar, sugar, engolir. Por necessitar privilegiar a manutenção biológica, esse bebê tem um investimento menor de respostas a partir das estimulações sociais e afetivas enviadas pelo ambiente cuidador: pais e equipe. Essa comunicação particular dos bebês prematuros é capaz de fortalecer o movimento de negação do nascimento por parte das mães. Já que esses bebês, por causa da idade gestacional e da maturidade própria de seu desenvolvimento, apresentam padrões distintos de respostas dos bebês nascidos a termo. Qualquer manuseio pode cansar o recém-nascido prematuro, que se encontra inteiramente voltado para sua auto-regulação. A comunicação dos bebês prematuros é peculiar, uma vez que eles apresentam padrões distintos de respostas dos bebês que nascem a termo (MARSON, 2008). É comum ver as mães passarem horas olhando para seu bebê na incubadora, procurando ao menos um sinal que mostre que ele a reconhece. Nos primeiros dias a mãe pode sentir-se desconfortável, uma vez que seu bebê não interage muito, mas com o passar tempo ela aprenderá a decodificar e decifrar os sinais de comunicação do seu bebê.

É comum que os pais dos bebês internados suponham que ocupam um papel secundário na internação do filho. Essa falsa impressão se deve à crença de que o neonato está sobrevivendo graças à equipe médica ou em função dos aparelhos. Sendo assim, os pais podem ter a ideia de que não são necessários para o bebê. Somada a isso está a frustração com as escassas respostas do recém-nascido ao ambiente, sua economia de sinais interativos. (BRAGA & MORSCH, 2003)

Mas calma! Depois de um tempo que o bebê está internado as coisas melhoram: a mãe passa a sentir-se mais confiante e presente na vida de seu filho. Começa a se comunicar melhor com seu bebê, e muitas vezes é ela quem traz informações importantes sobre o estado dele. É frequente que a mãe note algo diferente no seu bebê até antes da equipe. A maioria das mães tem uma relação muito estreita com seus bebês, o que faz com que os médicos levem em conta todas as observações que ela faz acerca de seu filho.

*

Fontes:

BRAGA, N. A. e MORSCH, D. S. Os primeiros dias na UTI. Em: Quando a vida começa diferente: o bebê e sua família na UTI Neonatal / Maria Elizabeth Lopes Moreira, Nina de Andrade Braga e Denise Streit Morsch (orgs) – Rio de Janeiro : Editora FIOCRUZ, 2003.

MARSON, A. P. Narcisismo Materno: quando meu bebê não vai para casa… Em: Rev. SBPH v.11 n.1 Rio de Janeiro jun. 2008.

 

One thought on “A comunicação particular dos bebês prematuros

  1. Ciça, procure ler um pouco sobre os sistemas dos bebês – Heidelise Alls, Elvidina Adamson Macedo e tb Marie Claire Busnel. São materiais um pouco mais antigos, décadas de 80/90 mas são muito especiais. Se precisares te mando o nome dos livors. bjs

Comments are closed.