Carregando...

Depoimento: Engravidei apesar da endometriose

A Fabiana dividiu com o Divã a sua história sobre como engravidou, apesar da endometriose!

“Bem, embora já tivesse tido outras relações duradouras e desejar ser mãe, nunca pensei efetivamente em engravidar até encontrar o pai do meu filho. Eu já estava com 36 anos e começamos a tentar logo no começo da relação. Eu nunca tinha engravidado antes e nem tentado, por isso achava que seria super rápido, até porque eu era uma mulher saudável que me cuidava muito.

Passou um mês, dois, três, seis e nada e então por eu ter passado dos 35 anos decidi procurar um médico e averiguar o que estava acontecendo, não só comigo mas com o meu ex-marido também. Ele fez o espermograma e não acusou nada. Eu, para além de algumas análises de sangue, fiz também uma ecografia endovaginal que indicou um endometrioma, sinal de endometriose. Para entender o que é endometriose necessita-se primeiro saber o que é endométrio. Endométrio é o tecido normal que reveste o útero internamente. Cresce e descama todo mês. Se a mulher engravidar ele permanece durante a gestação, caso contrário será eliminado no sangue menstrual. Esse revestimento, muitas vezes, e por razões não totalmente esclarecidas, pode se implantar em outros órgãos: nos ovários, tubas, intestinos, bexiga, peritônio e, até mesmo, no próprio útero, dentro do músculo.

Fiz entretanto uma viagem ao Chile e encontrei no “Mercadão” de Santiago uma barraca que vendia uns remédios naturais andinos super baratos. Eles tinham remédios de ervas para tudo e mais algumas coisas. Comprei 2 frasquinhos de dois remédios que me pareciam úteis ao meu caso, um se chamava qualquer coisa como “Rompe-cistos” e o outro “Limpa-ovário”. Comecei logo a tomá-los e notei uma diminuição substancial no meu fluxo menstrual e nas dores de cólicas, sintomas típicos da doença.

Apesar de me sentir melhor, continuava sem conseguir engravidar e confesso que entrei em desespero, afinal a endometriose era uma das maiores causadoras de infertilidade. Pesquisei muito no Google, li sobre variadas histórias, a maioria de muita dor e sofrimento. Passei a pensar na possibilidade de fazer uma FIV (Fertilização in Vitro), mas era extremamente cara e não garantidamente segura. Chorei muito, me desesperei. Até que um dia num fórum, já após o término dos remédios, encontrei se não me engano dois depoimentos de mulheres que depois de muita luta conseguiram engravidar após tomarem: uxi-amarelo + unha de gato, óleo de prímula e chá de rosas brancas. De acordo com elas, essa combinação “limpava” os nossos orgãos reprodutores. Elas garantiam que após 3 meses tomando tais coisas elas engravidaram.

Não pensei duas vezes em experimentar. Entretanto, nesse meio tempo já tomando os remédios e após várias consultas médicas optei que ia operar a endometriose por videolaparoscopia (1 câmera e 2 pinças que introduzidas no corpo através de cânulas, permitem remover os endometriomas). Diga-se de passagem que o diagnóstico exato da doença só se dá pela própria operação. Na maioria dos casos, a endometriose volta e é muito comum encontrar pessoas que já fizeram mais que uma operação.

Bem, o médico sugeriu então os preparativos para a operação, que começava por fazer uma ressonância magnética. Fiz a marcação da mesma, no entanto, pouco tempo antes de fazê-la, comecei a me sentir muito enjoada a cada vez que escovava os dentes, e minha menstruação também estava cerca de 3 dias atrasada. Isso não era comum para mim, e por achar que “a sorte grande” estava batendo na minha porta, comprei o teste de farmácia para confirmar, mas para a minha infelicidade deu negativo (ou eu que não soube interpretar a 2ª linha clarinha).

Foi então que minha intuição falou mais alto, eu cancelei a ressonância e no mesmo dia fiz um exame de sangue. Bingo! 2 meses depois de começar a tomar aqueles remédios “estranhos” e indicados na net, estava eu GRAVIDÍSSIMA!

Meu bebê, que se chama Noah, tem atualmente 1 ano e 5 meses e para a minha alegria, minha ginecologista disse que a ele fez desaparecer o meu endometrioma, ou seja, a minha gravidez curou a minha endometriose!

Espero que meu depoimento sirva de inspiração para as tentantes que sofrem de endometriose e para as tentantes no geral , para que elas vejam que apesar das várias causas que adiam o nosso grande sonho de ser mãe, deve sempre existir experança, pois é ela que não nos faz desistir e encontrar a grande luz no fim do túnel que nos faz ir de encontro ao grande amor das nossas vidas!”

Gravidez e Endometriose
Fabiana grávida / Fabiana com seu filho, Noah

*

Todo o conteúdo deste site, incluindo informações relacionadas à saúde, é apenas para fins informativos e não deve ser considerado um diagnóstico específico ou plano de tratamento para qualquer situação. O uso deste site e as informações contidas nele não cria uma relação médico-paciente. Procure sempre o aconselhamento individual de um profissional em relação a quaisquer dúvidas ou questões que você possa ter em relação a sua própria saúde física ou mental ou a de outras pessoas.