Carregando...

Bullying na infância – os impactos na vida adulta

Os efeitos sociais, físicos e mentais do bullying na infância ainda são evidentes quase 40 anos mais tarde, de acordo com uma nova pesquisa da King’s College London, em Londres. Esse estudo é o primeiro a olhar para os efeitos do assédio moral para além da infância e adolescência, e foi publicado no American Journal of Psychiatry.

Os resultados foram baseados no banco do British National Child Development Study que inclui dados sobre todas as crianças nascidas na Inglaterra, Escócia e País de Gales, durante uma semana, em 1958. O estudo publicado hoje inclui 7.771 crianças cujos pais forneceram informações sobre a exposição da criança ao bullying quando tinham de 7 a 11 anos. Essas crianças foram acompanhadas até os 50 anos!

"Bullying não é legal"
“Bullying não é legal”

Dr. Ryu Takizawa, autor principal do artigo, afirma que os efeitos do bullying são ainda visíveis quase quatro décadas mais tarde. O impacto do assédio moral é persistente e generalizado, com consequências sociais e econômicas duradouras, além de afetar a saúde! Indivíduos que foram intimidados na infância, aos 50 anos eram mais propensos a ter a saúde física e psicológica comprometidas e um pior funcionamento cognitivo. Indivíduos que foram frequentemente vítimas de bullying na infância apresentavam um risco maior de depressão, transtornos de ansiedade e pensamentos suicidas. As relações sociais também foram afetadas – os indivíduos que tinham sido vítimas de bullying eram menos propensos a estar em um relacionamento, ter um bom apoio social, e eram mais propensas a relatar menor qualidade de vida e satisfação com a vida.

O professor Louise Arseneaul garante que é preciso se afastar de qualquer percepção de que o bullying é apenas uma parte inevitável da vida infantil. Ele sugere que os professores, os pais e até os políticos devem estar conscientes de que o que acontece no pátio da escola pode ter repercussões a longo prazo na vida das crianças.

Fonte: King’s College London, American Journal of Psychiatry