Carregando...

Pré-Natal Psicológico

Além de alterações fisiológicas e somáticas, a gestação é um fenômeno complexo que também inclui alterações psicológicas e sociais. A gravidez, especialmente a primeira, representa um poderoso evento psicológico. Sendo assim, fica clara a necessidade de falarmos sobre Pré-Natal Psicológico.

pregnancy

PRÉ-NATAL PSICOLÓGICO

Esse conceito em atendimento perinatal é super recente. Mas… o que é isso? Voltado para maior humanização do processo gestacional e do parto e da parentalidade, os encontros em grupo tem ênfase na preparação psicológica para a maternidade e paternidade, e na prevenção da depressão pós-parto. Durante a gravidez a gestante faz diversos exames e é acompanhada com frequência para prevenir e identificar qualquer alteração no curso da gestação. Por que não cuidar também do emocional?

O Pré-Natal Psicológico é complementar ao pré-natal tradicional e tem caráter psicoterapêutico. Além de oferecer apoio emocional, discute soluções para demandas que podem surgir no período gravídico-puerperal, como aquelas relacionadas aos mitos da maternidade, à possibilidade da perda gestacional e/ou neonatal, à gestação de risco, à malformação fetal, ao medo do parto e da dor, às mudanças de papéis familiares e sociais, às alterações na libido, ao conflito conjugal, ao ciúme dos outros filhos, ao planejamento familiar, entre outros.

Os encontros também tem a função de sensibilizar a gestante quanto à importância do plano de parto e da presença de um acompanhante. Além desses aspectos preventivos, o grupo pode colaborar e desmistificar temas importantes, como cuidados com amamentação, cuidados com o bebê e a maternidade idealizada.

Bibliografia

ARRAIS, A.R.; MOURÃO, M.A.; FRAGALLE, B. O pré-natal psicológico como programa de prevenção à depressão pós-parto. Saúde Soc. São Paulo, v.23, n.1, p.251-264, 2014. (clique aqui)

CABRAL, D. S. R.; MARTINS, M. H. F.; ARRAIS, A. R. Grupo de pré-natal psicológico: avaliação de programa de intervenção junto a gestantes. Encontro: Revista de Psicologia, Valinhos, v. 15, n.22, p.53-76, 2012. (clique aqui)