Carregando...

“Eu tive Depressão Pós-Parto” – Depoimento Carol

“Meu filho foi a coisa que mais desejei. Para mim não tinha como passar por essa vida sem ser mãe.
Casei com 29, começamos a tentar com 32, e só conseguimos quando eu tinha 35. Foram duas perdas, uma bateria infinita de exames, sem achar nenhuma causa e mais tentativas exaustivas até chegar na tão esperada gravidez do João. Foi um período muito intenso e feliz. Eu vivi cada centímetro do crescimento daquela barriga. Me sentia linda e muito realizada. Desejei tanto um barrigão e consegui..!

João nasceu com 4,360 kg.. Não pude ter um parto normal como desejava, além dele ser muito grande, já estava na quadragésima semana, sem nenhum sinal de trabalho de parto.. Acho que ali começaram a cair minhas projeções.. Criamos tantas expectativas!.. Pelo menos eu criei..

Queria tanto também amamentar. Tinha certeza que não teria nenhum problema.. Mas por quê?? Há tantos relatos, tantas mulheres têm dificuldade.. Por algum motivo achei que já havia cumprido minha cota de problemas, como se isso existisse!! Na verdade, ainda tinha muito caminho pela frente. Estava começando uma depressão pós-parto muito forte, então tudo era muito difícil. A amamentação não funcionou bem, tinha pouco leite e ele precisava de muito.. Sentia uma enorme pressão e frustração. Escutei tanto que não existe mulher sem leite.. Mas como pode?? Então, eu era o que? Uma aberração?.. Ou então devia estar fazendo alguma coisa muito errada. Sentia enorme ansiedade, angústia, irritação. Como foi difícil!!

Fiquei sem dormir por quase um mês, de verdade, o que contribuiu para começarem as alucinações e paranóias. Tive que voltar à analise e procurar uma psiquiatra. Não conseguia nem entender o que lia num jornal! Era muita desorientação.. E quando ele chorava, eu entrava em desespero. Depois de muito trabalho e esforço, tomando remédio, comecei a voltar ao meu normal, tudo muito lentamente. Mas até lá, desejei fugir de casa e até morrer.

Acredito que as pessoas conheçam e falem muito pouco sobre esse problema. É um momento onde a mulher está tão vulnerável, onde sofre uma alteração hormonal tão brusca, fora todos os medos, ansiedades e a inevitável mudança na vida do casal. Ainda vivi muitas outras coisas depois disso, inclusive uma separação, mas esses já são assuntos para outros depoimentos.

Foi um começo muito conturbado mas aos poucos a vida foi entrando nos eixos, e fomos nos adaptando um ao outro, eu e meu João. Fui aprendendo a ser sua mãe e continuo a cada dia. Hoje digo, sem nenhuma dúvida, que ele é a maior alegria da minha vida. Um presente que recebi. Passaria por tudo novamente por ele.. Te amo meu filho!”

João e Carol
João e Carol

One thought on ““Eu tive Depressão Pós-Parto” – Depoimento Carol

  1. Quando li o início do depoimento no instagram, fiquei curiosa e vim aqui pra lê-lo por completo.
    Acredito que às vezes, mesmo existindo um desejo tão grande de ser mãe, as mulheres não se preparam realmente pra maternidade.
    Só projetar como será a nova vida com um bebê não é o suficiente, na verdade não ajuda em nada. A mulher tem que estudar sobre gestação, parto, puerpério, desenvolvimento infantil, pediatria, etc, etc, etc. Se houvesse informação de qualidade, mulheres não seriam enganadas com esse tipo de desculpa de obstetras (peso do bebê, isoladamente, não é indicação de cesárea, muito menos estar com 40 semanas, pois gestação à termo é até às 42), frequentariam grupos de apoio à gestantes e à amamentação, se preparariam pra montanha russa de emoções que é o puerpério, preparariam seu companheiro pra dar mais apoio emocional, se blindaria para palpiteiros de plantão e comparações com outras mães e bebês.
    Lógico que mesmo com toda a real preparação para a maternidade, a depressão pós parto pode acometer qualquer mulher, mas tenho a impressão que haveria drástica diminuição e as mulheres saberiam lidar com menos penar esse período crítico.
    Não quero com esse comentário criticar a pessoa do depoimento, é mais uma constatação, que pode não fazer sentido nenhum pra algumas mulheres, mas que pra mim fez toda a diferença na minha gestação e parto e agora no puerpério.

Comments are closed.