Carregando...

Entendendo os medos infantis – Parte 2

Terça-feira falamos sobre os medos das crianças pequenas. Hoje damos continuidade ao tema “medos infantis”.

– Medos das crianças mais velhas
As crianças grandes percebem que coisas ruins acontecem às vezes. O que eles ainda não entendem é a probabilidade de um evento assustador balançar seu mundo: a entrada de um estranho pela janela do quarto à noite, atropelamentos ou a violência nas ruas. Como muitas vezes ouvem sobre essas coisas dos amigos ou assistem aos noticiários, eles não tem uma noção de perspectiva.

Estratégias para acalmá-lo
Ensine estratégias de enfrentamento. O seu filho tem idade suficiente para aprender técnicas de relaxamento que irão equilibrar suas respostas físicas ao medo, como o coração acelerado. Encoraje-o a dar respirações longas e lentas, e até ter um “mantra calmante”, como: “Eu estou seguro em minha cama. Todas as portas e janelas estão trancadas.”
Evite a exposição excessiva a mídia. Como a visão de mundo das crianças é limitada, eles não sabem quantas vezes acontecem tsunamis ou quantos sequestradores existem. (E eles “pescam” bem mais do que você pensa enquanto você ouve um programa de TV).
Explique probabilidades. Quando um evento real e assustador acontece, como um ataque terrorista ou de uma catástrofe natural, não evite falar sobre o assunto. Explique que essas tragédias ocorrem raramente e que ele está seguro agora.

crianca assustada

– Quando medos se tornam fobias
As pessoas freqüentemente usam a palavra medo e fobia como sinônimos, mas os dois problemas são diferentes. Se seu filho tem medo de água, por exemplo, ele pode chorar na hora do banho, mas geralmente você pode persuadi-lo a entrar no chuveiro. Mas uma criança que tem uma fobia de água pode tornar-se histérica só de ouvir você abrir a torneira – é capaz que ela nem coloque os pés no banheiro.
Cerca de 3 a 5% das crianças vão desenvolver uma fobia, um intenso e excessivo medo que dura mais do que alguns meses, cresce fora de proporção, e afeta a capacidade da criança de funcionar no mundo. Fobias infantis comuns incluem animais, insetos, água, tempestades, escuridão, e se machucar. Se você suspeita que seu filho desenvolveu uma fobia, fale com um psicólogo infantil.

Todo o conteúdo deste site, incluindo informações relacionadas à saúde, é apenas  para fins informativos e não deve ser considerado um diagnóstico específico ou plano de tratamento para qualquer situação. O uso deste site e as informações contidas nele não cria uma relação médico-paciente. Procure sempre o aconselhamento individual de um profissional em relação a quaisquer dúvidas ou questões que você possa ter em relação a sua própria saúde física ou mental ou a de outras pessoas.

One thought on “Entendendo os medos infantis – Parte 2

  1. Oi Maria Cecília! Ótimo post! Acho bem importante observar e ajudar a criança com os medos. O que para nós pode parecer uma bobagem, para a criança pode ser um sofrimento. Um dos meus filhos anda dizendo que não quer mais viajar de avião. Já conversei com ele que também tenho medo, mas que não podemos deixar que o medo nos domine. Beijos

Comments are closed.